O que o trabalho faz por você mesmo se você é magro?

Há provas contundentes de que o corpo e a mente estão entrelaçados. E há muitos profissionais de saúde que concluem que um corpo doente pode refletir uma mente insalubre ou indisciplinada. Portanto, é seguro concluir que um corpo saudável aumenta sua chance de ter uma mente saudável.

Além da nutrição, uma maneira de manter um corpo saudável é fazendo alguma forma de atividade física. Admito que não sou fã de sessões intensas de treino com um treinador, mas gosto de caminhar com os meus cães e jogar golfe. Para mim, essas atividades são uma forma de terapia e elevam meu humor. Meu humor elevado é provavelmente devido a endorfinas – substâncias químicas liberadas do cérebro durante o exercício extenuante. As endorfinas ajudam a aliviar a dor e também podem promover sentimentos de prazer e euforia.

Mas com as férias se aproximando rapidamente e horários de trabalho agitado, podemos começar a sentir mal que não estamos alocando o tempo adequado para nossas rotinas de treino individuais. Por exemplo, tenho que admitir que meus níveis de atividade estão começando a cair.

Um estudo recente me dá esperança de que mesmo uma agenda de exercícios reduzida ainda possa fazer maravilhas pela minha saúde mental. Mesmo apenas uma hora de exercício por semana pode ajudar a prevenir a depressão.

Em um estudo que examinou 33.908 adultos saudáveis ​​em geral que não tinham sinais de ter uma doença mental, os pesquisadores descobriram que 12% dos futuros casos de depressão poderiam ter sido evitados se todos os participantes tivessem pelo menos uma hora de atividade física por semana. Os participantes foram acompanhados por 11 anos.

O estudo também descobriu que “a realização de exercícios regulares de lazer foi associada à redução da incidência de futuras depressões, mas não à ansiedade. A maior parte desse efeito protetor ocorreu em níveis baixos de exercício e foi observada independentemente da intensidade. ”

Depressão e ansiedade geralmente têm sintomas semelhantes, mas talvez a maior diferença entre esses distúrbios seja que a depressão geralmente envolve mais sentimentos de desesperança e desespero, enquanto a ansiedade envolve uma sensação esmagadora de medo e pânico.

Para dicas sobre como lidar com a ansiedade, clique aqui.

De acordo com notas adicionais do estudo, “os que relataram nenhum exercício na linha de base tiveram 44% mais chances de desenvolver depressão em comparação com aqueles que estavam se exercitando de 1 a 2 horas por semana”.

A depressão continua sendo uma grande preocupação nos Estados Unidos. É relatado que 1 em cada 5 pessoas sofrem de depressão. Por isso, é encorajador saber que existe uma relação positiva entre períodos relativamente curtos de exercício e depressão.

E quando se trata de realizar uma atividade física, converse sempre com um profissional de saúde competente sobre os exercícios que são apropriados para sua idade e seu estado de saúde. Se você tem asma, problemas cardíacos ou qualquer outro problema de saúde, você deve discutir suas opções de exercícios com um médico antes de ir ao ginásio ou correr.

Finalmente, lembre-se de que além de fazer atividades físicas, você também pode ser proativo sobre depressão e ansiedade por meio da nutrição. Abaixo estão alguns minerais que podem ajudar:

  • Magnésio Vários estudos mostraram uma melhora na gravidade dos sintomas de depressão quando os participantes do estudo receberam 125-300 mg de magnésio em cada refeição e na hora de dormir. Os sintomas que melhoraram incluíram irritabilidade, insônia, desesperança e ansiedade. Os alimentos que contêm magnésio incluem espinafre, sementes de abóbora, iogurte, kefir, amêndoas, feijão preto, abacate, figos, chocolate amargo e banana.
  • Cromo Este mineral é um elemento metálico que os seres humanos exigem em quantidades muito pequenas. Podemos não precisar de muito cromo, mas um estudo de pacientes com depressão atípica mostrou que 70% dos que tomaram 600 mcg de picolinato de cromo tiveram melhora em seus sintomas. Alimentos ricos em cromo incluem brócolis, ovos ao ar livre, batata doce, milho, aveia e carne alimentada com capim.
  • Ferro Níveis diminuídos de ferro podem resultar em apatia, depressão e fadiga. Muitas mulheres experimentam depressão durante os anos férteis (25-45), e uma razão para isso pode ser que as mulheres perdem ferro durante a menstruação. Alimentos ricos em ferro incluem carne vermelha, carne de porco, aves, frutos do mar, feijão, espinafre (e outras folhas verdes), ervilhas, cherimoyas e cereais fortificados com ferro.
  • Selênio. A depressão, como resultado da deficiência de selênio, foi estabelecida em pelo menos cinco estudos diferentes. A depressão pode ser o resultado do estresse oxidativo, e é por isso que o selênio pode ser útil. O selênio tem propriedades antioxidantes. Alimentos ricos em selênio incluem castanha do Brasil, atum albacora, alabote, sardinha e frango.
  • Zinco. Muitos estudos clínicos foram feitos para determinar a relação entre zinco e depressão. Os níveis de zinco são geralmente baixos naqueles com depressão grave. O cordeiro, sementes de abóbora, carne de vaca, cogumelos, grão de bico, espinafres e frango são alguns alimentos ricos em zinco.
  • Cobre. Este mineral é importante na depressão porque é um componente das enzimas que metabolizam substâncias químicas cerebrais que ajudam a responder ao estresse, sentir-se feliz e estar alerta. Alimentos ricos em cobre incluem sementes de girassol, lentilhas, amêndoas, chocolate amargo, fígado bovino e aspargos.
  • Manganês. Este mineral é um grande componente da superóxido dismutase (SOD) e foi encontrado para ser baixo no episódio depressivo de pacientes bipolares em comparação com controles. O tratamento com o antidepressivo fluoxetina aumentou o nível dessa enzima. As fontes alimentares de manganês incluem nozes, sementes, vegetais de folhas verdes, chá, gérmen de trigo, cereais integrais, legumes e abacaxis.
  • Cálcio. Não existe uma relação clara entre cálcio e depressão, mas alguns estudos encontraram baixo teor de cálcio em pacientes deprimidos e outros encontraram níveis elevados. No entanto, você não pode ignorar o papel do cálcio porque afeta os níveis de magnésio em seu corpo. Para alimentos ricos em cálcio, clique aqui.

Para se certificar de que você está recebendo quantidades adequadas dos nutrientes essenciais que podem ajudar com a depressão e outros problemas de saúde, é importante fazer um teste de nutrição. O teste é necessário para determinar se você tem alguma deficiência nutricional ou desequilíbrio, apesar de ter uma dieta saudável. Por exemplo, tomar certos medicamentos, sua idade e até mesmo seus genes podem afetar sua capacidade de absorver certos nutrientes.

Fonte: Apenas uma hora de exercício por semana pode ajudar a manter a depressão afastada

Espero que isso tenha sido útil! Por favor, leia mais artigos relacionados com a saúde aqui: Informações sobre Saúde e Notícias – Blog Proactive Health Labs (pH Labs)

Aproveite a sua vida saudável!